A vida em isolamento requer treinamentos virtuais

por | 09/04/2020 | Impressões

Com isolamento social e home office causados pela Covid-19, treinamentos de comunicação, como o media training, se reinventam e são ministrados inteiramente online. Líderes C-Suíte, porta-vozes e gestores públicos participam de sessões virtuais, onde aprendem a reciclar protocolos e cuidados para os novos tempos.

A migração para plataformas digitais era questão de tempo e essa necessidade foi apressada pela pandemia do coronavírus. A vida agora é online, multiplataforma e enriquecida pelos benefícios da tecnologia. Os cuidados e o preparo com a forma e o conteúdo das mensagens se tornam cada vez mais importantes, ainda que com algumas mudanças de protocolo.

Esses líderes agora precisam:

  • prestar atenção no ambiente das reuniões online;
  • ter noção de como escolher fundos neutros para não distrair a atenção de interlocutores;
  • saber como se enquadrar, como não estar muito perto nem muito longe da câmera do computador já que, agora, não há mais terceiros responsáveis pela fotografia;
  • saber como manter o olhar na câmera, como se estivesse olhando para o interlocutor.

Tudo requer prática e conhecimento prévio de que esses problemas existem, não dá para abaixar a cabeça e fixar o olhar na tela do computador. Com crescente demanda, a In Press Oficina tem realizado treinamentos online inteiramente alinhados ao novo normal de vida digital.

Cloroquina: usar ou não usar? Eis a questão

Em mais um pronunciamento em rede nacional, realizado na noite de ontem (9/4), o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da cloroquina, substância prescrita contra a malária, como forma de combater do novo coronavírus.

A efervescência do assunto elevou o número de pesquisas no Google de quase zero ao pico de popularidade no dia 20 de março, ilustrado no gráfico, quando a Anvisa emitiu nota sobre a inconclusividade dos efeitos da cloroquina sobre o tratamento do novo coronavírus.

O segundo pico ocorreu no dia 27 de março, quando a Agência de Vigilância Sanitária liberou o registro para pesquisas com o medicamento. No mesmo dia, o presidente Bolsonaro retomou o tema.

Entre os principais termos pesquisados no Brasil estão: “para que serve cloroquina”, “cloroquina efeito colateral” e “cloroquina preço”.

O medicamento ainda é motivo de divergências dentro da comunidade cientifica e no universo político. O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, trata do assunto com cautela, evita endossar a utilização do medicamento. Já o cardiologista do Hospital Sírio Libanês citado por Bolsonaro, defende o uso da hidroxicloroquina para cororavírus. Roberto Kalil Filho foi diagnosticado com a covid-19 e fez uso da substância durante o tratamento.

Até o momento, estudos conduzidos pela Fiocruz e pela Fundação de Medicina Tropical mostram que a taxa de mortalidade de pacientes que usaram a cloroquina é semelhante à de pacientes que não usaram o remédio. Além disso, pesquisadores alertam que o uso indiscriminado pode causar efeitos colaterais como graves arritmias, hepatite, pancreatite e choque anafilático.

Neurociência e consumo: o protagonismo das marcas no enfrentamento da crise

Marcas com propósito autêntico ganham relevância em tempos de criar. E a neurociência pode apoiar na construção dos posicionamentos que a sociedade têm expectativa de ouvir. Para debater o tema e contar como o cérebro dos consumidores está funcionando em época de crise, medo e falta de liberdade, a In Press Oficina convidou dois grandes nomes: Billy Nascimento, CEO da Forebrain; e Fefa Romano, diretora global de marketing da Alpargatas. 

Patrícia Marins, jornalista e sócia-diretora da In Press Oficina participará do webinar, trazendo sua experiência como especialista em posicionamento de marcas. 

Há muita dúvida nesse momento sobre como as marcas devem agir. Por exemplo: o que as marcas podem ou não podem fazer? Que ações podem soar oportunistas? E se a marca não fizer nada? E se silenciar? Vai passar como omissa? A orientação dos especialistas tem sido a de evitar os extremos. Nem omissão, nem oportunismo. Os principais caminhos apontados são o do engajamento e o da empatia. 

O que fazem os convidados do webinar?

Billy Nascimento, fundador da Forebrain, é graduado em Biomedicina, mestre e doutor em Neurofisiologia pelo Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Como professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), leciona disciplinas de Neurociência do Consumo e Comportamento do Consumidor em cursos de MBA e pós-graduação. É representante brasileiro no The Neuromarketing Science and Business Association.

Fefa Romano, diretora global de Marketing da Alpargatas, é graduada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A Alpargatas tem dado exemplo no combate ao Covid-19. Destinou parte da planta industrial para a produção de calçados fechados (mais seguros para profissionais da saúde), e também para a costura de máscaras de proteção; redesenhou a linha de produção para cumprir regras sanitárias; fechou lojas; e adotou home office nas áreas administrativas. Na comunicação, a marca Havaianas realinhou toda a estratégia. Primeiro, garantiu uma distância segura, suspendendo temporariamente campanhas, para entender a evolução da crise. 

Serviço: Arena de Ideias acontece na próxima terça-feira, às 10h30, e será transmitida pelo Youtube. 

Frase do dia

“Quando não somos mais capazes de mudar uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos.”

Viktor Frankl (1905-1997), neuropsiquiatra austríaco

Números do dia