fbpx

Cenas da Semana – edição 160ª

por | 10/06/2021 | Notícias

Facebook prepara novo protocolo para publicação de autoridades públicas

Cercada de sigilo, a nova política de publicações do Facebook deve ser mais rigorosa com postagens de autoridades públicas. A punição por violações de regras vai desde suspensão da conta por período de 1 mês, 6 meses, 1 ano e 2 anos a remoção completa da rede social. Até então, a empresa de Mark Zuckerberg mantém algumas postagens controversas no ar porque as classifica como notícia ou de interesse público.

A necessidade de revisão foi impulsada por um boicote de empresas. Por um mês, 100 empresas globais pararam os post patrocinados em protesto contra a proliferação do discurso de ódio na rede, durante a campanha presidencial do Estados Unidos. O Facebook acionou o Conselho de Supervisão, criado pela própria plataforma para discutir temas polêmicos.

A moderação tende a aplicar a punição temporária. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o ex-presidente norte-americano Donald Trump, cuja sanção de suspensão da conta por 2 anos está em vigor desde a semana passada.

Por prática, os detalhes que levam à decisão contra postagens de autoridades públicas não serão tornados públicas. Há uma preocupação interna sobre o limite da censura.

Zuckerberg, inclusive, avalia que os demais usuários devem condenar publicações problemáticas, não a plataforma. Sabe-se, contudo, que será colocado um filtro que vai impor limites. Se o interesse público estiver acima do comentário, a publicação é retirada e o usuário é punido. A prática será uma espécie de corretivo, sobretudo a políticos que adotam as redes sociais para levar adiante as Fake News.

Pandemia agrava casos de fadiga ocular e exercício pode minimizar risco

(© Reprodução/Eshoje)

Horas e horas em frente ao computador viraram hábito, agravado especialmente durante o home office imposto pela pandemia, e os cuidados com a visão precisam ser redobrados. Um exercício corriqueiro pode ajudar a minimizar o impacto do excesso de exposição dos olhos à claridade das telas.

Trata-se da “Regra 20 + 20”, recomendada pelos especialistas. Funciona assim: a cada 20 minutos recomenda-se fazer uma pausa de 20 segundos e, tirando os olhos da tela, focalizar a visão para um objeto a em torno de 6 metros de distância algumas vezes durante o dia. O procedimento simples ajuda a diminuir a fadiga ocular e até problemas mais graves. A Sociedade Brasileira de Oftalmologia já lista a SVRC (Síndrome Visual Relacionada a Computadores) como doença com sintomas como irritação, dor, vermelhidão, cansaço dos olhos e sensação de ter um corpo estranho atrapalhando a visão. Em 90% dos casos, a síndrome é observada por usuários de computadores, tablets ou celulares por mais de três horas diárias.

Os problemas de visão associados a uma superexposição com as telas se tornam mais comuns porque reduz em até 60% a quantidade de vezes que as pessoas piscam. Em média, o ser humano faz um movimento a cada 5 ou 6 segundos. Inconscientemente, em função da anomalia, o número de piscadas cai para 1 a cada 15 ou segundos, diminuindo a lubrificação dos olhos.

Se o “novo normal” é viver colado às telas, em nome da saúde visual, não esqueça de colocar o exercício da visão e uma visita ao oftalmologista nos tradicionais exames de rotina.

‘Escultura’ invisível é leiloada por cerca de R$ 92 mil por artista italiano

Muitos definiriam apenas como uma ideia – porque é o que parece ser. Mas o artista italiano Salvatore Garau transformou – e chocou – o mercado ao vender por 15 mil euros (cerca de R$ 92,1 mil) a obra “o Sono”. Ocorre que a escultura simplesmente não existe. Não fisicamente, é bom deixar claro. Está na cabeça do artista que a definiu como “arte do vazio”, depois corrigindo que prefere “ver” como a “arte imaterial”. O cidadão que arrematou a “obra” no certame promovido pela casa de leilões Art-Rite de Milão não foi identificado, mas levou para casa um certificado e a indicação que a peça arrematada tem entre 1,5m x 1,5m. A “o Sono” ficou junto às demais obras leiloadas no mês passado, com um espaço em branco e pôde ser visitada virtualmente.

Esse foi o feito de maior repercussão, mas não foi a primeira obra invisível do italiano de 67 anos. Anteriormente, Garau colocou numa praça de Milão a obra “Buda em Contemplação”. Uma área na rua foi cercada por quatro fitas brancas e lá era possível observá-la. O vídeo da escultura está disponível no perfil do artista no Instagram acompanhado de um alerta: “você não pode ver, mas isso existe. Isso foi feito com ar e espírito”.

Aos interessados em ter as obras inovadoras, é bom reservar um lugar na sala. Salvatore Garau prepara mais sete esculturas para serem vendidas e só aguarda o fim da pandemia para viajar oferecendo-as pelo mundo.

Não foi dada nenhuma dica das próximas esculturas, mas é inegável que, além de valiosa, a mente de Garau é muito persuasiva.