fbpx

Miguel Nicolelis: a melhor tática é apostar em todas as vacinas 

por | 29/10/2020 | Impressões

Foto: UOL

O neurocientista Miguel Nicolelis comparou a busca pela vacina contra o novo coronavírus a uma corrida de cavalos. Para ele, não se pode descartar nenhuma hipótese entre as medicações que estão sendo pesquisadas. Coordenador do Comitê Científico do Consórcio do Nordeste, Nicolelis participou do webinar “Cérebro, o criador do universo e a Comunicação”, transmitido pela In Press Oficina, e falou sobre ciência, o funcionamento do cérebro e fake news.

“Acredito piamente que a vacina é o grande trunfo que vamos ter para reduzir a taxa de transmissão. A vacina é como corrida de cavalos. Tem 15 cavalos na raia e você de antemão não sabe que cavalo vai ganhar. A melhor tática é apostar em todos. Enquanto ela [vacina] não vem, em teoria teríamos que manter o que funciona, o isolamento”, afirma o Nicolelis.

Em confinamento no seu apartamento em São Paulo desde o início da pandemia, o neurocientista crê que o Brasil falhou desde o início, principalmente por ignorar os avisos externos e minimizar a gravidade da doença. “É a maior tragédia humana da história do Brasil num único evento. Nos deparamos com um sistema e instituições que negaram a gravidade da pandemia. Perdemos a guerra no começo”, diz Nicolelis.

A pandemia colocou o planeta na maior crise dos últimos 100 anos e, segundo ele, comprovou a fragilidade do modelo adotado pela sociedade moderna. “Estamos vivendo momentos épicos da história. Um pacotinho nanométrico de gordura e proteína, com um filete de RNA dentro, pôs a humanidade de joelhos, a ponto de estarmos enfrentando a maior crise econômica, maior que a depressão dos anos 30”, compara.

Entretanto, a vulnerabilidade do sistema não foi o único responsável pelas milhares de mortes causadas pela Covid-19. Nicolelis crê que a disseminação de fake news em larga escala contribuiu decisivamente para ampliar o alcance da pandemia. 

“É por isso que muita gente morreu na pandemia. Nós estamos precisando de uma vacina num momento que o jornalismo sério e profissional sofre os maiores ataques da história. Esse processo acelerou com a criação de mídias de massa que permitem que essas notícias se espalhem. O cérebro é mais propenso à fake news do que verdades. E esse é o grande problema do mundo atual”.  

Na mesma direção, a sócia-diretora da In Press Oficina, Patrícia Marins, resume em poucas palavras o cenário criado pelo coronavírus. “A pandemia é também uma crise de confiança, uma guerra de narrativas e desencontros”. 

Um bate-papo com Nicolelis no Arena

Foto: Medium

A 30.ª edição do Arena de Ideias recebeu o neurocientista Miguel Nicolelis,  autor do livro “O Verdadeiro Criador de Tudo – Como o Cérebro Humano Esculpiu o Universo como Nós o Conhecemos”.
 
O tempo voou na uma hora em que Nicolelis esteve no Arena falando de ciência, filosofia, arte, Fake News, Covid-19, e, claro, entre tantas abordagens, também sobre o seu último livro,  com a tese de o cérebro humano ser o verdadeiro criador do universo e insuperável até mesmo por computadores. 

“Para o universo ter significado ele precisa de um intérprete. Não sabemos se existe outra forma inteligente, a nossa melhor escolha para o centro do universo é a mente humana. A brainet é o mecanismo que permitiu criar os grupos sociais mais produtivos. Mitos, deuses, sistemas políticos e dinheiro vêm da mente humana. Nós vivemos imersos na nossa criação”, explica.
 
Diante dessa teoria de que o cérebro é o centro do universo, Nicolelis defende que a inteligência artificial jamais será capaz de superá-lo. “Dar um download nas nossas memórias e deixar num DVD nunca vai acontecer, porque as memórias são analógicas e depositadas nas sinapses dos neurônios”, diz.
 
Defensor de uma sociedade matriarcal, como ele mesmo se definiu, o neurocientista ainda fez um contraponto ao historiador e filósofo israelense Yuval Harari, autor do best-seller internacional “Sapiens: Uma breve história da humanidade”, que aborda desde a evolução arcaica da espécie humana na idade da pedra até o século XXI.
 
“A minha visão de mundo do Yuval é completamente diferente. Eu gostei muito do Sapiens, achei que ele fez um trabalho muito bom de simplificar ideias complexas. Mas acho que ele cometeu alguns erros de análise e visão, como quando ele diz que os impérios eram inevitáveis. Eu discordo frontalmente. Inclusive eu quero a volta do matriarcado do neolítico superior”.

A magia da leitura

Foto: Presidência | Divulgação

Fonte de disseminação de conhecimento e entretenimento, o livro é celebrado em duas datas comemorativas: 29 de outubro, adotada no Brasil para coincidir com o dia de fundação da Biblioteca Nacional; e 23 de abril, consagrada internacionalmente pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Livros começaram a ser publicados no Brasil, depois de o príncipe regente D. João VI ter criado a Imprensa Régia. Marília de Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga, foi o primeiro livro impresso no Brasil, em 1810.  Ocorreu quatro séculos depois da primeira impressão de um livro, a Bíblia, segundo a técnica criada pelo alemão Johannes Gutenberg.

No Dia Nacional do Livro, a In Press Oficina resolveu presentear os fãs do Arena de Ideias com a última obra de Miguel Nicolelis, o convidado da 30.ª edição do webinar: O Verdadeiro Criador de Tudo – Como o Cérebro Humano Esculpiu o Universo como Nós o Conhecemos.  Foram sorteados dois exemplares entre quem postou stories no Instagram sobre o Arena de hoje. 

A reflexão

Arte: In Press Oficina

Hashtags do dia

Arte: In Press Oficina

Números do dia

Arte: In Press Oficina | Fonte: Conass

Você conta com os times de Public Affairs e Comunicação Digital em Brasília. Somos especializados em:

  • mapeamento de stakeholders
  • monitoramento do ambiente de poder
  • pesquisas junto ao Executivo e Legislativo
  • estratégias de Public Affairs
  • advocacy
  • soluções LGPD
  • comunicação estratégica
  • conteúdo para redes sociais
  • comunicação digital
  • monitoramento de redes sociais
  • business intelligence
  • treinamento de porta-vozes