A mudança de costumes nas empresas provocada pela Covid-19

por | 02/07/2020 | Arena de Ideias, Notícias

Para conquistar a confiança plena dos públicos, as organizações precisam investir em protocolos de segurança sanitária e comunicação

 

A crise causada pela pandemia de Covid-19 é também uma crise de confiança. Assim, tomar medidas de segurança sanitária e estabelecer protocolos de comunicação consistentes são a chave para garantir credibilidade e confiança de colaboradores, fornecedores e clientes. Mais do que isso, são importante alavanca para a sustentabilidade dos negócios.

 Implantados conjuntamente, os protocolos permitirão que as organizações superem a crise causada pela pandemia de Covid-19 com menos riscos para a saúde do trabalhador, para as áreas jurídica, administrativa, financeira e, consequentemente, se afastando de desgastes reputacionais. 

Última pesquisa do Datafolha mostrou que 47% da população brasileira tem muito medo do vírus — índice mais alto desde março, quando a pergunta passou a ser feita. Isso se reflete no ambiente corporativo. Segundo o estudo Covid-19 Mindset, da FleishmanHillard, 95% dos colaboradores desejam que as empresas implementem medidas de proteção física e distanciamento para mantê-los saudáveis. Já 91% dos clientes esperam que as companhias tomem várias medidas para ajudar os trabalhadores a se manterem saudáveis.


Arena de Ideias sobre Covid-19 e os novos costumes

O tema foi tratado pelo Arena de Ideias desta quinta-feira (2/7). Participaram do debate o cardiologista e diretor de Relacionamento com Mercado do Grupo Sabin, Bruno Ganem Siqueira, o empresário do ramo de construção civil e presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa; a gerente de Saúde e Segurança do Trabalho do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Claudia Pellegrinelli; e a sócia-diretora da In Press Oficina e especialista em gestão de crise, Patrícia Marins.

Para o médico Bruno Ganem Siqueira, do Grupo Sabin, o mais importante para as empresas nesse momento é uma atuação simultânea em diferentes frentes, que ele compara a engrenagens:

 “É preciso que tenhamos três engrenagens caminhando de forma sincrônica: a da triagem dos indivíduos para entender quais são as populações da empresa e os riscos de cada uma. Esse é passo importante para criar a engrenagem seguinte, a do monitoramento. Ou seja, questionar o que será monitorado ao longo do tempo para garantir a segurança dos grupos selecionados na triagem. Por fim, é preciso ter protocolos racionais de testagem. Com esses pilares funcionando adequadamente, há mais eficiência para garantir a segurança sanitária.”

 Estabelecidos os protocolos de segurança sanitária é preciso planejamento de comunicação para que toda a cadeia ligada à empresa entenda quais são e para que servem os procedimentos. Foi o que enfatizou a sócia-diretora da In Press Oficina, Patrícia Marins.

“A comunicação é importante para esclarecer, sensibilizar, tranquilizar, e, principalmente, mudar hábitos. Essa é uma crise de confiança, de saúde e econômica. A saída é assumir novos costumes, ter protocolos em saúde e comunicação, e fazer um trabalho de mudança cultural. Para se mostrar preocupada com a crise, a empresa tem que ter protocolos muito firmes e sérios, conhecidos por todos os públicos.” 

Chave e fechadura

“A simbiose segurança sanitária, envolvendo questões técnicas, em associação com a comunicação interna e externa, é como chave e fechadura para trazer um ambiente mais favorável para o colaborador e para o cliente. Obviamente isso envolve a reputação das marcas. Quem não se planejou pode ter impacto capaz de causar cicatrizes e afugentar os clientes, que são a razão de existir das empresas”, reforça Siqueira.

 

Novos tempos, novos costumes

  

O setor de comércio e serviços, um dos mais afetados pela pandemia, precisou ser rápido para se adequar às mudanças e minimizar perdas, pontua José César da Costa, presidente da CNDL.

“Tivemos que atuar com agilidade para apoiar os empresários neste momento e ajudá-los a se adaptarem ao cenário. Muitos migraram e fortaleceram sua atuação no ambiente digital, mas precisarão reabrir as portas em algum momento. O varejo entende seu papel na construção dessa nova realidade. Temos a responsabilidade de adotar novos comportamentos e precisamos de condições que garantam segurança para as pessoas e empresas.”

Outra área que precisou se reinventar foi a mineração. Com processos produtivos que envolvem números altos de colaboradores, as empresas repensam procedimentos e usam a criatividade para enfrentar o cenário.

“Como não podemos ter aglomerações e o brasileiro é um povo muito amoroso, nossa tendência é se aproximar o tempo todo. Tivemos o caso de uma companhia que contratou um carro de som para percorrer a planta. Ao observar que poderia haver um agrupamento de pessoas, o carro de som soltava uma mensagem, e as pessoas passaram a respeitar a regra”, comenta Claudia Pellegrinelli, gerente de Saúde e Segurança do Trabalho do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).

Protocolos customizados
 

 “Existe uma necessidade de customização para o tipo de atividade exercida, o tipo de empresa dentro daquela atividade e o perfil do colaborador. A forma de tratar protocolos para um colaborador que está na ponta, em contato com o cliente, é diferente de um que está num ambiente de escritório, por exemplo”, explica Siqueira. “Os olhares da classe médica, da Medicina do Trabalho, da área científica, junto com o meio empresarial e a comunicação, vão fazer a grande diferença nessa mudança de costumes. Precisamos estar engajados de ponta a ponta dentro das empresas. É uma construção diária, ninguém muda cultura da noite para o dia”, complementa Patrícia Marins. 

Covid-19 e os novos costumes do ambiente corporativo. Assista na íntegra:  

Arena de Ideias é realizado às quintas-feiras, a partir das 9h30, e transmitido ao vivo no canal da In Press Oficina no YouTube

Fique por dentro

Quer ficar por dentro de tudo que acontece na política em Brasilia e temas do Arena de Ideias primeiro? Inscreva-se aqui e tenha acesso aos nossos conteúdos exclusivos. 

Leia mais conteúdos sobre enfrentamento de crise que preparamos para você: